Artigos

Uma ODE à eterna série Friends

Publicidade

Como começar mais um texto falando bem dessa série eterna, que atravessa gerações e que eu consegui finalmente assistir todos os episódios? Lágrimas de emoção e tristeza caíram ao final. Tomei banho, raspei o cabelo e a barba chorando com um misto de alegria e saudades de uma época que não volta mais. Um não retorno de uma época para mim, para meus amigos e amigas, e para este maravilhoso filme dividido em muitos capítulos. São no total 236 episódios, em 10 temporadas. Foram 10 anos, de 1994 a 2004, e todos os capítulos disponíveis na Netflix, por enquanto. Em 2019, os “Amigos” completaram 25 anos e a Warner prometeu para 2020 um capítulo especial com todos os integrantes.

Imagino que tenham milhares de resenhas, críticas e comentários sobre este ícone da TV, que era exibido no Brasil pela Sony e depois pela Warner, na TV paga. E que eu nunca conseguia acompanhar todos os episódios, pois estava sempre fazendo alguma coisa.

Por que uma Ode? Este termo, que veio da Grécia, lembro muito bem das minhas aulas de literatura no ginásio e no colegial (atualmente Ensino Fundamental II e Médio), é um poema lírico, cujas estrofes são simétricas (versos na mesma medida) e possui um caráter entusiástico, alegre e animador. Geralmente, pode ser cantada ou declamada em homenagem à pessoa amada ou para enaltecer uma personalidade.

Não farei estrofes ou poema, nem cantarei, tento ser entusiástico, alegre e animador como a própria série. Mas, principalmente, gostaria de enaltecer este sitcom que todos deveriam assistir para aprender mais sobre alegria, amor, expressar a verdade e, principalmente, sobre a amizade, haja o que houver.

Quando a série começou no Brasil, em 1996, foi o ano que eu entrei na faculdade e muitos amigos e amigas falavam sobre. Estávamos alguns anos atrás da realidade desta turma do seriado que já eram formados, estavam experimentando a fase da vida de trabalhos iniciais e a vivência fora de casa com outros room mate (colega de apartamento). Eu já tinha passado um ano inteiro anterior estudando e morando com um dos melhores amigos da minha vida, para passar na faculdade. Porém, neste ano inicial da série estava começando a vida universitária na maior cidade do Brasil, São Paulo, morando com um colega de apartamento.

Emerson era o nome deste meu room mate, que também era universitário e não perdia um capítulo de Friends. Eu assistia quando conseguia, almoçando ou jantando em frente à televisão, dávamos muitas risadas e ele sempre falava que esta série era demais. A risada dele era contagiante e os comentários ainda mais engraçados. Mesmo assim não consegui seguir a sequência lógica e acabava não entendendo muita coisa.

Agora entendo que, nesta época, estava vivendo como em Friends, com meus amigos de infância de Botucatu e meus amigos da universidade. Não assistia, pois estava curtindo como na série. Talvez não tão próximo, com apenas meia dúzia de amigos e amigas, mas vários.

Com os amigos de infância vivenciando a experiência de conhecer outras cidades universitárias, festejar, namorar, viajar, ficar, enfim, viver a vida da época. Muitas histórias que toda vez que nos encontramos contamos várias e várias vezes. Nossas esposas e filhos não aguentam mais! Meu filho já até sabe contar algumas delas.

E com os amigos e amigas de faculdade curtimos ao máximo a vida intelectual, de festas e de início de vida laboral. Dificuldades de trabalho, de namoro, de gravidez, de festas, de morar com alguém, de gostar de alguém, enfim, todas as etapas da nossa trajetória que você vê em Friends.

Até minha irmã veio estudar e morar conosco neste período de room mate. Foi sensacional viver este tempo com ela, realmente, estávamos numa série e nem sabíamos. Esta série da vida que temos que viver ao máximo cada minuto.

Agora vocês devem estar entendendo o porquê uma ODE ao Friends, na verdade é para enaltecer uma fase da vida que não volta mais. Cada fase da vida é importante e tem suas felicidades e tristezas.

O saudosismo é o que esta série me trouxe. Foi mais de um ano para assistir todos os capítulos, no meio de um doutorado, muitas aulas, palestras, artigos, clientes, alunos, projetos, debates, capítulos de livros, livro, prêmio Jabuti, pandemia, entre muitas outras coisas. Felicidade de saber que curti muito como estes seis amigos da TV que, por meio de suas interpretações, me fizeram estar com eles a todo o momento: sofrendo, chorando, curtindo, rindo, enfim, fazendo tudo o que eles fazem.

Gratidão é outra palavra que me vem à mente, para os momentos da madrugada que eu não conseguia dormir devido a um problema ou pesadelo. E assim ligava a TV para relaxar assistindo Friends. Dormia sempre muito feliz!

Felicidade por ter passado momentos maravilhosos junto aos seis amigos da série e junto aos meus queridos amigos de infância do UIA. E desta época da faculdade que não esquecerei jamais, com experiências incríveis e amigos para sempre. Tanto é que voltei para faculdade que me formei e sou professor lá agora, como o personagem Ross, que também é professor universitário. Quisera eu ter estudado paleontologia! Dei muitas risadas, pela verdade do que ele passa em sala de aula. Atualmente, ando pelos corredores da universidade tentando lembrar sempre tudo o que passamos lá. Talvez tenha voltado por isso.

Mais do que nostalgia, acho que estou na faculdade para falar para todos os alunos e para você, que está lendo este texto até aqui, que curta o máximo cada momento da sua vida. Passa muito, muito rápido! Sei que parece piegas, ou algo de autoajuda, ou ainda de personal coach, mas é isso. Se Friends tem alguma coisa para ensinar é: curta ao máximo, converse muito, fale a verdade sempre para o seu amigo ou amiga, conte piadas, ria, chore, ame de verdade, experimente, mas sempre seja verdadeiro com você e com o seu amigo, pois ele ou ela sempre entenderá. Isso mostrará um amigo ou amiga de verdade!

Obrigado por ler até aqui e se você não assistiu Friends, assista! Ah e ligue para um amigo(a) e fale o quanto gosta dele(a), como fiz neste artigo!

Por Marcus Nakagawa, fã de Star Wars e outras coisas nerds, sua família (Fran, João e Nena Naka) possui mais de 2 mil itens da série, desde brinquedos, cuecas, roupa de cama, jogos, colecionáveis etc. E agora mais fã de Friends! Além disso também é professor da graduação e MBA da ESPM; e palestrante sobre sustentabilidade, empreendedorismo e estilo de vida. Autor dos livros:  Marketing para Ambientes Disruptivos 101 Dias com Ações Mais Sustentáveis para Mudar o Mundo (ganhador do prêmio Jabuti 2019).

www.marcusnakagawa.com, www.blogmarcusnakagawa.com

Deixe seu comentário

Leia também