Dicas

Entenda O Poço, filme da Netflix que está enlouquecendo todos com o final

O Poço, novo filme Espanhol da Netflix, que está dando o que falar nas redes sociais. No filme, acompanhamos Goreng (Ivan Massagué), que acorda numa prisão vertical ao lado do companheiro de cela, Trimagasi (Zorion Eguileor).

Inicialmente não sabemos nada sobre eles, nem porque estão ali. Nos primeiros minutos, Goreng tenta entender como funciona o sistema da prisão. E logo de cara, percebe que a vida ali não é nem um pouco fácil.

O filme deixou muitas interrogações com seu final inusitado e muito aberto, por isso, confira abaixo algumas teorias do que pode ter acontecido e para entender um pouco mais sobre a história.

Cuidado, contêm SPOILERS!

A prisão é dividida por níveis, que aparentemente vão do 1 ao 200, e em cada nível há dois prisioneiros que permanecem nele por um mês. Todos os dias, os administradores do local mandam um grande banquete para alimentar os prisioneiros. No nível 1, o banquete está intacto. No 2, um pouco comido. No 50, quase acabado. No 100, nem restos mais são encontrados na mesa, apenas copos, pratos e talheres. Ou seja, hoje o prisioneiro pode estar no nível 1, comendo tudo do bom e do melhor, e na quantidade que quiser, sem se importar com os debaixo, pois próximo mês ele pode estar no nível 200, onde nenhuma comida chega e pode morrer de fome.

A mensagem que o filme busca contar é sobre a solidariedade do ser humano com seu próximo. A ideia central é que se cada um comer nas porções certas, apenas uma pequena quantidade para o dia, todos os níveis abaixo terão comida suficiente para sobreviver. Mas não é isso que acontece.

O Poço é um grande e importante filme que aborda sobre desigualdades sociais, egoísmo, consumismo exagerado e falta de empatia, além de dar umas espetadas no sistema político mundial.

Em um determinado momento, Goreng muda de cela e se une a um outro prisioneiro, Baharat (Emilio Buale Coka), um religioso que quer chegar ao nível 0 para ter sua liberdade. Juntos, veem a necessidade de levar comida para todos os prisioneiros de todos os níveis, e após chegar ao fim do poço, iriam retornar ao nível 0, para saírem dali. Entretanto, no decorrer da descida, os dois têm uma conversa com um sábio, afirmando que eles precisam levar uma mensagem, devem escolher a comida mais gostosa e que ela precisa chegar intacta aos administradores. Rapidamente escolhem a Pannacotta, e será a forma de demonstrar que foram solidários de maneira natural, sem forçar nada, e que o desafio ali foi vencido. Dando a entender que a comida chegou a todos os níveis e ainda sobrou.

Os dois acreditavam que haviam 250 níveis, mas após passarem desse nível, percebem que quase não havia mais comida e ainda tinham muitos níveis abaixo. Conforme a plataforma ia descendo, ela não parava quando não havia ninguém vivo, chegando no último nível, o número 333, onde encontraram uma garotinha, em perfeitas condições de saúde. Ao perceberem que ela estava com fome, acabaram dando a Pannacotta, que podemos observar um gesto de solidariedade verdadeira, sem imposição, e percebem que a menina é a mensagem.

O modelo de estratificação social é representado aqui de forma muito inteligente e também muito clara. Somada a essa visão geral da sociedade, alguns espectadores podem até fazer leituras específicas atribuindo símbolos e metáforas aos personagens e cenas. As coisas acabam se opondo demais e o espectador, que em um momento achava estar lidando unicamente com algo mais prático, mais socialmente identificável, crítico, relacionável, deve considerar pitadas de fantasia horrorífica e alguns elementos inexplicáveis no final. Como por exemplo algumas questões que ficaram sem explicação, como:

A menina era real ou alucinação?

Ao nos depararmos com uma menina, aparentemente sem marcas de violência física e bem nutrida, com a descida da dupla em cima da plataforma, nos faz questionar três coisas. Se a mulher já havia encontrado a filha e sempre descia para alimenta-la, ou se a mulher continuava procurando a menina e como ela estava no último nível, pode ser que ela nunca tenha conseguido chegar até lá. Ou por último, se simplesmente a menina foi uma alucinação de Goreng, sabido que o mesmo conversava com seus parceiros de cela já mortos e que acreditava piamente que havia uma criança menor de idade na prisão.

Se a menina não era real, um questionamento vem à tona: como a garota está na prisão sendo que menores de 16 anos não são permitidos? Em uma conversa entre a ex funcionária e Goreng, descobrimos que todos que entram podem pedir ‘qualquer coisa’ como objeto. Dessa forma, há duas teorias. Uma é que a mulher possa ter escolhido a garota como seu ‘objeto’, seja por mantê-la por perto, por não haver ninguém lá fora que cuidasse da garotinha ou até mesmo por um sentimento de egoísmo – algo que faz parte do filme -, e que ela tenha escolhido a filha “apenas” para lhe fazer companhia, e no decorrer do tempo que ela está lá, a menina pode ter se perdido ou a própria mãe tenha deixado a criança no último nível para protegê-la, e assim, descia todos os dias para alimenta-la. Ou o mais óbvio é que a menina foi alucinação de Goreng, visto que a ex funcionária havia revelado que o objeto da mulher tinha sido um ukelelê.

Qual a mensagem?

Muitas pessoas estão associando O Poço em uma metáfora à religião. A plataforma é o purgatório, onde quem está em cima, perto do céu, está do paraíso, e quem está nos níveis mais embaixo, estão perto do inferno, onde sofrem e morrem de fome. E as pessoas podem transitar entre esses níveis.

Com certeza não deve ser apenas uma mera coincidência de que o último nível do poço é o número 333, que equivale a 666 pessoas. 666 é o número da besta, e muitas vezes no filme chamam Goreng de Messias e no final ele diz que ‘É apenas o Portador, e a garota é a mensagem’, ou seja, talvez ela seja a “Besta” que estar por vir pro nosso mundo, e ele representando o Anticristo.

Ao pesquisar sobre teorias do filme, uma certa pessoa disse que a mensagem do filme é bíblica, a administração é Deus, que faz tudo perfeito, e conforme o humano vai tocando, vai deteriorando tudo e sendo destruído, Goreng é Jesus, o Messias, Baharat é a fé, que acredita que existe um caminho, e a menininha é a esperança. No entanto, conforme eles vão descendo a plataforma os pecados capitais vão aparecendo, a gula pelo menino com síndrome de down, a luxuria com os homens velhos na piscina, inveja, preguiça, a ganancia o senhor com dinheiro e etc. E ainda há a simbologia do número 666, como se Jesus tivesse se sacrificado por todos, e mandou a mensagem “esperança” para Deus.

Morte de Goreng

Referente a morte do Goreng, ela acontece quando ele coloca a menina na plataforma na cela 333 e ela começa a ir pra baixo com uma forte luz branca no meio da escuridão e ele encontra o primeiro companheiro de cela que fala pra ele “sua viagem termina aqui”. Então, tudo que aconteceu até o final do filme não foi imaginação e sim um desafio para que a mensagem fosse passada.

Um fator intrigante é que há uma cena em que a Pannacotta está na mão de um chefe na cozinha questionando de quem era o cabelo que estava na sobremesa. Nos dando a entender que pode ter sido esse pequeno detalhe que impediu que os prisioneiros comecem a pannacota, fazendo-os acreditar que havia comida para todos e todos eram civilizados, pensavam nos demais e dividiam a comida, que por conta de um simples fio de cabelo mandaram a sobremesa de volta.

Sendo assim, devido à essa curta cena, podemos acreditar que menina não era real. Pois, caso não fosse, ela não comeu a sobremesa e subiu sozinha para a administração, nos retomando à cena do chefe e com isso, a real mensagem não foi passada nem entendida pela administração, e O Poço continuou da mesma forma de sempre.

O que aconteceria no nível 0?

Depois que a menina é colocada na plataforma e sobe para o nível 0, nos perguntamos “o que irá acontecer?”. Um mestre da humanidade já disse “para que possamos subir ao reino dos céus é preciso ter um coração de criança”, ou seja, somente a menina no filme chegaria ao nível mais alto do poço através da plataforma, subindo todos os degraus ilesa chegando ao objetivo final, que era de alguma forma no céu, ou seja, liberdade ou o fim dos sofrimentos e privações.

Se no filme é tão relevante esclarecer que a menina era a mensagem, podemos acreditar que essa era a real mensagem do filme, além de ser uma grande mensagem da vida para toda a problemática da sociedade humana. Principalmente nos tempos de hoje, onde os pecados são constantemente vistos na sociedade, onde cada um só olhada pra si mesmo.

O final de O Poço é uma grande incógnita, podendo nos levar à inúmeras interpretações, e esse foi justamente o objetivo do diretor. Devemos prestar atenção aos pequenos detalhes do filme e provavelmente assisti-lo mais de uma vez.

Deixe seu comentário

Leia também